EDUCAR É, ANTES, SENTIR... E TODOS SÃO CAPAZES DISSO.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Filme recomendado: "Detachment" (Título em português: O substituto)

Por Mari Monteiro

Detachment, novo filme de Tony Kaye, tem um título muito interessante e que é aberto para várias interpretações. Em português, a palavra “detachment” significa “desapego”, “indiferença”. Levando em consideração que o filme faz uma crônica de alguns dias na vida de um professor substituo (Henry Bathes, interpretado por Adrien Brody) numa infernal escola pública estadunidense, poderíamos até dizer o filme faz reverência a um suposto desapego por parte dos professores aos seus alunos, ou comenta e crítica tal desapego.


Porém, se disséssemos isso, estaríamos mentindo. Detachment faz exatamente o contrário: Ele condena quem não tem moral (ou vontade) de encarar uma manhã e uma tarde com alunos que não estão interessados em estudar e faz uma ode aos professores que se jogam nesse dia-a-dia. E isto está muito claro desde o início do filme, quando somos apresentados a uma epígrafe animada assinada pelo pensador Albert Camus (“E eu nunca me senti tão imerso em uma pessoa ao mesmo tempo em que estou tão desapegado de mim mesmo e tão presente no mundo”).



Portanto, Detachment é um filme explosivo de um cineasta explosivo. Tony Kaye, autor de dois filmes bombásticos sobre problemas sociais urgentes (A Outra História Americana [American History X, 1998] discursa sobre o neonazismo; Lake of Fire [idem, 2006] é um documentário que fala sobre aborto), a partir de um roteiro assinado pelo estreante Carl Lund, tem em suas mãos um filme em que ele pode apontar, pela primeira vez em sua carreira, sua metralhadora não para as consequências das ações tomadas pelas vítimas do mal abordado no longa, mas sim acusar as vítimas. Detachment não é uma investigação sobre problemas — é um julgamento.

Uma vez que estamos tratando das deficiências do sistema de educação pública (mais conhecido pelo projeto “No Child Left Behind”), é fácil traçar um paralelo com o excelente documentário Waiting for “Superman” (idem, 2009) — afinal, Detachment adota uma mise-en-scene realista, quase documental; ambos os filmes procuram mostrar a falácia do “No Child Left Behind” (apesar de desviarem uma crítica direta ao seu criador, George W. Bush). Apesar disso, as semelhanças entre os filmes param por aí. Detachment é lírico, absurdo e gráfico; não está preocupado em fazer análises — para Kaye, isso é perda de tempo: Ele está interessado em fazer acusações, não ponderações. Desde o primeiro momento em que entramos na escola em que o filme se passa, fica claro que o problema é muito mais dos alunos e da sua diretoria do que de um hipotético despreparo dos professores (Waiting for “Superman”, por sua vez, diz, entre outras coisas, que o problema está nos professores que não têm qualificação suficiente).

Levando seu espectador a lugares anaeróbicos e inóspitos, Tony Kaye mostra que continua afiado e interessado na violência inerente no contato humano. Sua câmera é frenética e procura causar desconforto na audiência; há pouca solenidade em sua direção, mesmo quando a cena lhe propicia algo, digamos, mais clássico: Observe que quase todas as cenas na escola em que Henry Bathes trabalha são filmadas com a câmera na mão, utilizando uma lente extremamene angular e com um número elevado de cortes. Portanto, mesmo que Detachment seja um filme que se segure bastante nos diálogos, Kaye prova ser um diretor que tem a consciência de que a tensão não é formada no roteiro (que é brilhante, verdade seja dita), mas sim no conjunto da sua direção — se sua hand-held aliada a grande angular provoca desconforto, o desenho de produção de Jade Healy aposta numa combinação de branco e vermelho que deixa os ambientes áridos e nauseantes — vermelho este, aliás, que está presente mesmo nas cenas que não se passam na escola, como prova a segunda conversa que acontece entre a jovem prostituta de rua Erica (Sami Gayle) e Bathes.(...)


Com tudo isso, deve-se levar em consideração que nem todos estão preparados para assistir um filme de Tony Kaye — aqui está um cineasta inovador, revolucionário; alguém que utiliza motivos clássicos num filme e eleva-os a uma potência em que eles atingem uma nova tez. Há muita trilha-sonora pomposa (excelente, assinada pelos Newton Brothers) e muita câmera lenta. Falando assim, pode até parecer que Kaye é um cineasta que simplesmente utiliza recursos clássicos a todo minuto, mas falar isso não é nada além de preguiça intelectual. A questão é que ele é um cineasta explosivo; alguém que não se furta a chance de utilizar os mais infinitos meios de passar uma mensagem — às vezes, claro, você precisa gritar para se fazer ouvir, e Kaye faz isso seja com a tal da câmera lenta, seja com música dramática ou com animações extremamente gráficas (elas podem variar entre um fio de telefone enforcando uma pessoa até moscas rodopiando ao redor de uma lâmpada — o que nos revela um pouco da ótima montagem de Barry Alexander Brown e Geoffrey Richman).
                         
No mais, Detachment é um filme mais otimista que A Outra História Americana e mais redondo que Lake of Fire (Tony Kaye ainda assinou Black Water Transit e Lobby Lobster, mas esses filmes são obscuros demais e não achei para assistir). Alguns podem achar que isso é uma tentativa de “se vender” ou de “encontrar espaço nos estúdios” — afinal de contas, Kaye se tornou pária em Hollywood depois de apresentar um comportamento infantil durante o processo de pós-produção de A Outra História Americana que culminou com a sua própria falência (e ele sabe disso).

Mas pensar isso é baboseira. A questão é que Detachment fala sobre educação, sobre o futuro do planeta — sobre crianças. Se não nos mantivermos otimistas sobre o futuro delas, qual é o mundo que será habitado no futuro? 
                           
Detachment, 2011 / Dirigido por Tony Kaye. Com Adrien Brody, Sami Gayle, Christina Hendricks, Lucy Liu, James Caan, Betty Kaye, Tim Blake Nelson, Marcia Gay Harden, William Petersen e Brian Cranston




83 comentários:

  1. Olá Amiga!
    Realmente o filme é espetacular!
    Há uma nostalgia real no filme, foi uma sensação presente dentro de mim, algo nostálgico por essa realidade em sala de aula, que nos deixa de mãos atadas, mediante aos comportamentos e acontecimentos dos alunos, e a indiferença dos pais, das diretrizes, quanto ao rendimento - que dependerá de muitas coisas envolvidas - do professor, do aluno, da escola. O filme era explosivo, expressivo e artisticamente magnifico. A nostalgia esta ligada a impotência, ao desespero... Isso me chocou, não por ser apenas um filme, mas por existir casos assim, como os expostos ali. As frustrações que um professor sente, os tramas que vieram desde a infância, a falta de esperança, que sempre foram presentes em nossa vida, até mesmo em alguns momentos que tivemos, e outros casos contínuos que as pessoas passam, enfim, estou remoendo cada cena e, é dificil expor com completude... de tudo...

    Beijoxx
    Cássia.

    ResponderExcluir
  2. Kassia, querida

    você tem toda razão. Quando vi o filme pela primeira vez, passei dias pensando sobre os dramas vividos pelos personagens; sobretudo, pelo Professor Barthes. A realidade mostrada na escola em os fatos se passam, lamentavelmente, estão mais próximos de nós do que pensamos (e do que gostaríamos).

    Valeu pelo excelente comentário!

    Bjus

    ResponderExcluir
  3. "Você já sentiu o peso da pressão sobre seus ombros?"

    O senhor Barthes era um indivíduo muito sóbrio e sempre preferiu ter um vazio sentimental para não relevar as situações a sua volta e acabar tendo compaixão para com outros. Apesar de ele ter estendido a sua mão para próximos, mesmo assim ele demonstrava ser uma pessoa fria, evitando a todo o momento não querer ter sentimentos.

    A tônica básica do enredo se resume em três personagens principais onde eles possuem situações semelhantes, e o tempo se passa resumindo suas trajetórias na sociedade.
    Meredith, uma adolescente apaixonada por fotografia, onde ela se vê sozinha no seu mundo sem apoio dos seus pais e sem ter ninguém amigável ao seu lado; Erica, uma adolescente dispersada perambulando pelas ruas as noites, sem possuir nenhum contato com alguém próximo, e assim consegue arranjar um zelo ao lado de Barthes, que também não possui muitos familiares por perto, somente seu avô.

    Um filme muito edificante, forte, realista, poético, refletivo e profundo. Muda o nosso jeito de viver, encarar a vida!

    Porém a ausência de um final feliz ou de uma situação resolvida não descaracteriza o filme, pois a continuação será idealizada por nós. O que vamos fazer para reverter esse quadro?

    O senso comum desde então sempre propôs que quando algum indivíduo vem a falecer os seus próximos velam seus restos mortais em cemitérios, e com a cerimônia, todos se vestem com roupas de tom escuro.

    Durante toda a progressão do filme podemos notar que os personagens mais "conturbados" se vestem apenas com roupas escuras, a todo o momento.
    A cor preta é a cor do mistério e está associado à ideia de morte, de luto e de terror.
    E as situações mais conflituosas dos protagonistas se passam com roupas pretas um clima de tempo bem escuro, sem sol, sem aquele ar vívido, sem o vigor da felicidade.

    O título em Inglês tem um duplo sentido que se perde na tradução. Tanto significa 'destacamento' (de um professor que vai substituir outro) como 'alheamento', que é a atitude, defensiva, do protagonista perante o que o rodeia.

    No fim, uma das certezas que tiramos do filme é que nada dói mais do que a verdade. Afinal, a proposta ali nada mais é do que mostrar que todos nós temos problemas. Todos nós sentimos dor. Todos nós somos humanos. Só precisamos de alguém para nos enxergar.

    Muito Obrigado Professora Mari por me proporcionar essa oportunidade de ter conhecido uma obra tão boa e gratificante.

    Grato por quem leu até aqui!

    Veredito: 5|5

    Vinicius Moreira Alcivan
    Nº: 13
    2º Ano do Ensino Médio

    ResponderExcluir
  4. Vinicius, mimo...

    Estou emocionada com sua crítica. Sabia que seria ótima, mas está ESPLÊNDIDA. Você apreendeu (absorveu, como diria Mr. Brathes) toda a ESSÊNCIA da obra. Além de nos revelar fatos que eu mesma, que o filme duas vezes, não havia percebido.

    Sou eu quem agradece pela sua IMENSA CONTRIBUIÇÃO. Estou muito feliz, mas feliz mesmo!!!

    Obrigadíssima!

    "Somos profundos no mundo. Mas não estamos alheios a nós." (by Mari... uma réplica a Albert Camus. Estou abusada!!! rsrrs)

    ResponderExcluir
  5. /O filme é uma grande obra cinemátografica que mostra e desperta um lado de você que você não conhece.Um filme com sentimentos fortes, muito bem dirigidos e com ótimos.Todos os personagens estão ligados pelas suas histórias, mas tem modos diferentes de reagir à situação. Os personagens fazem as coisas de uma forma esforçada e não ganham reconhecimento, tomam atitudes erradas, pois são seus meios de fugir dos seus problemas das repressões e críticas erradas sobre eles próprios

    Vitor "teló" Martins

    Bjs profª

    Ps.a Ellen que fez eu digita certo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pela participação Teló!!!
      Você se aperfeiçoa a cada dia!

      Bju

      Excluir
  6. O filme "O Substituto (2011)" aborda temas comuns e "ocultos" na sociedade, como se fosse um alerta de forma impactante. Te pressionando contra a parede, fazendo-lhe, em algumas cenas, engolir saliva a seco ou te deixando com um nó na garganta. Porém, ele não fala por si só, a compreensão vem da mentalidade e maturidade de cada espectador para elaborar a história e as cenas. Deixa-nos perguntas alheias como "O que fazer para mudar?" "E se o mundo continuar assim?" "Qual o rumo de tudo isso?" perguntas que ele próprio não responde. Todos que assistiram sairam, de uma certa forma, inquietos da sala, com um novo olhar perante as coisas e perante seus próprios atos. Se precisar de um motivo de vida, o filme lhe dará muitos.

    Ellen Rossi Patucci, 2° ano Ensino Médio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ellen, faço meus os seus questionamentos.
      Ótima reflexão!
      Você escreve muitíssimo bem. Aliás, não me canso de lhe dizer isso.


      bjus

      Excluir
  7. ''O Substituto'',que em inglês é ''Detachment'', é um filme que nos ensina uma excelente lição de vida. O filme, retrata a vida de um professor substituto, que prefere não se envolver sentimentalmente com seu trabalho,mas não é isso que acontece; Por mais que ele tente, ele se preocupa demais com seus alunos.Um homem muito bondoso, que por ser carente pelo fato de não ter tido uma família estruturada, ajuda uma menina que está na mesma situação que ele. Apesar de ser um filme onde nao termina em: ''Felizes para sempre'', é uma ótima realidade, que nos serve de lição para refletirmos sobre a vida. Quanto ao final do filme...fica por conta da sua imaginação.


    Letícia Barbosa 2° E.M

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente crítica Letícia.

      Como sempre, zelosa com as palavras.

      Parabéns!

      bjus

      Excluir
  8. Realidade Mundana

    O filme relata uma história não muito distante da realidade. Na verdade, é a realidade. Afinal, o filme é baseado em uma história "real". Hoje em dia o mundo está cheio de coisas parecidas com o filme. É uma chance de ver uma realidade que muitos não vêem e tirar conclusões sobre o mundo e sobre sua própria vida.

    O filme já começa mostrando uma escola em caos onde os professores não são ouvidos e não conseguem passar nada de bom. Ai que entra o professor Barthes como substituto e tentando fazer a diferença entre os alunos.

    Um filme ótimo para quem quer refletir e tirar conslusões, afinal o filme faz você pensar bastante.

    Eliel Mobile de Oliveira - 2°EM - N°3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Eliel.
      Também compartilho da sua crença de que o filme nos faz pensar bastante... e como faz!

      Ótima crítica!

      bjus

      Excluir
  9. O filme faz com que o sentimento de dor e de aperto no coração esteja presente o tempo todo e atinja uma grande perte do seu público, por apresentar uma grande variação de dificuldades em situações extremas, que chegam ao ponto de dar a impressão de que a menssagem tem o objetivo de ser passado a você. Então, você passa a pensar juntamente com Barthes após ter passado por tudo isso.
    O que te leva para dentro do filme são os momentos bons e as conquistas. Isso faz uma grande diferença, pois faz você viver as situações junto com as perssonagens do filme. Ao final dessa história, ele te deixa uma tristeza alheia, isso prova que, por mais que você tente se distanciar do mundo, não vai conseguir, pois são os relacionamentos que te prendem a ele.

    Leonardo S. Rinaldi 2ºEM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Léo,

      Você disse tudo: "o filme nos leva para dentro dele." Foi assim que me senti também.
      E, como lhe falei antes, sua crítica ficou excelente!

      Bju

      Excluir
  10. Nesse filme me fez sentir na vida de cada um que estava atuando. Demostra que nossa vida é tão curta e que temos que aproveitar a cada minuto, ás vezes, queremos ajudar e acabamos fazendo o nosso possível dos impossíveis e acaba se machucando.
    E no filme vendo que o " Professor Barther " cada vez mais tenta ajudar e melhorar a vida dessas pessoas e pra mim foi interessante porque ele falava que nao tinha sentimento e acabou mostrando que tinha pois tentou tirar o sofrimento de todos mas acabou entrando nessa tristesa. E isso foi bonito porque ele nao pensava nele propio e sim nas pessoas que estavam ali.
    E eu acabei nao sabendo quebando minha cabeça para saber como terminasse o filme se contiuaria ele com a Erica se ele ficava com depreçao nao tinha como saber so sei que e uma historia que nunca vou esquecer me marcou muito e e uma liçao de vida que muda muito nossa vida.

    Simone Oliveira Marcelino 2° Ano

    Beijos Mari esse filme me marcou muito . muitos bjs bjs....




    ResponderExcluir
  11. Que bom que o filme lhe fez bem Simone.

    A intenção, além da reflexão, da avaliação e da narrativa digital era "mexer" com nosso modo de pensar e de ver certas situações.

    bjus

    ResponderExcluir
  12. Detachment é um filme cujo nome (em inglês) é ideal e cabe perfeitamente na historia retratada.
    O filme aborda assuntos que representam um tapa na cara para nós, que estamos acostumados com histórias com alguns altos e baixos, mas sempre com finais felizes e previsíveis.
    A realidade da qual muitas pessoas vivem foi retratada incrivelmente. O autor consegue fazer com que refletíssemos sobre a vida real, e nos deixando claro que ninguém consegue ser 100% feito de desapego, devido ao comportamento de Barthes, sincero e cru em uma escola cheia de conturbações. Porém esse “tal” de desapego é com ele mesmo, e não com as pessoas ao seu redor. Barthes escolheu para ser substituto, para não se apegar a ninguém, porém quando trabalha na escola em que se passa o filme, ele começa a ver o mundo com outros olhos.
    Enfim, o filme deixa um ar de duvida que fica a seu critério imaginar o que acontecerá nas vidas dos personagens.

    Júlia Toledo 2º EM

    Beijos Mari, obrigado por nos levar um filme tão impactante quanto esse, e por não subestimar os nossos conhecimentos em relação a um filme que se deve ter muita reflexão ♥

    ResponderExcluir
  13. Julia, mimo...

    Jamais subestimaria os conhecimentos de vocês, mas confesso que fiquei surpresa com o alto nível de maturidade de vocês em relação às sensações e mensagens transmitidas pelo filme!!!

    Parabéns!!!

    Bjus

    ResponderExcluir
  14. Esse filme ficou em minha mente desde quando assisti, pois ele entrou em minha alma, cutucou meu coração e me fez ver o mundo de outra forma.
    A atitude do professor foi extraordinária em ajudar a garota que se prostituia , tenho certeza que se fosse outra pessoa ia xingar, maltratar e julgar mas nunca ajudar, e com isso fui conhecendo melhor o Sr.Barthes com suas qualidades e defeitos . A lição de moral que ele deu aos alunos em sala de aula foi espetacular, mesmo tendo passado por momentos difíceis em sua infância e ter visto sua mãe morta, ele não decidiu ser uma pessoa ruim e sim uma pessoa com sentimentos escondidos, pois ele citava no filme ser uma pessoa sem sentimentos.
    Só tenho a agradecer a Mari por ter mostrado esse filme para nós, pois ele mudou minha concepção de vida .

    ResponderExcluir
  15. Sou eu quem agradece pelo prestígio Mayara!

    Parabéns pela participação!

    Bjus

    ResponderExcluir
  16. O filme mostra um professor substituto , com alguns problemas pessoais, que trabalha em escolas com problemas acadêmicos e evitando sempre qualquer ligação emocional com os alunos. O filme é surpreendente e emocionante do começo ao fim, transmitindo uma mensagem que nos faz sentir parte dele, pois cria uma ligação tão forte com os personagens, que é capa de conseguirmos nos colocar no lugar deles e sentir o que eles sentem.


    Obrigado Professora Mari por ter nos passado este filme tão impactante e tão emocionante.

    Bianca nº01 2º E.M

    ResponderExcluir
  17. Bianca, mimo...

    Compartilho da sua opinião de que os sentimentos dos personagens são capazes de se fundirem aos nossos ... E isso é realmente impactante!

    Eu que agradeço pela sua valiosa colaboração!

    Bjus

    ResponderExcluir
  18. O filme retrata a vida de um professor com sérios conflitos pessoais, que vai trabalhar como substituto em uma escola com alunos, professores e direção também com problemas pessoais, educacionais e profissionais.
    A sala em questão, tem alunos apresentando graves problemas de comportamento (limites, regras e etc...), além de baixa auto-estima, o que os leva a comportamentos inadequados. Esses alunos demonstram sofrerem de carência afetiva e material, e isso não assustou o Sr. Barthes, pois o mesmo teve uma infância bem complicada com a mãe suicida e o avô/pai agressor sexual e causador do triste fim de sua mãe. Certo dia, na volta para casa, após visitar seu avô (e discutir com a “enfermeira” por conta do descaso em relação aos idosos), encontra-se com uma jovem prostituta que acaba indo morar em sua casa, mas entregue ao conselho tutelar.
    Sr. Barthes é extremamente triste e reflexivo para uma pessoa “jovem”, carece de alegria, indignação e entusiasmo; Porém esse comportamento demonstra o reflexo da vida cheia de conflitos que teve. No filme percebe-se o quanto ele tenta ser indiferente diante de situações problemáticas que ocorrem em sua vida, mas não consegue. Pois, em vários momentos do filme, mostra-se muito preocupado com as pessoas.
    Enfim, o filme me fez perceber o quanto é difícil as relações humanas, principalmente entre os adolescentes. Em nossas vidas vivenciamos situações semelhantes às ocorridas no filme e o quanto é delicado solucioná-las.

    Thalita França Pereira Nº 10

    ResponderExcluir
  19. Thalita, mimo!!!

    É sempre uma grata surpresa vê-la superando seus limites. E, mais, uma vez, você o fez. Além disso, suas produções textuais estão cada vez melhores e com um nível de qualidade sempre mais elevado.

    Parabéns!!!!

    Bjus

    ResponderExcluir
  20. O substituto, retrata a historia de um professor eventual, que esta sem pre se mudando de escola, como um "pensador nômade", esse filme foi vencer de 4 prêmios, teve a melhor seleção,mas um grande filme com tantos prêmios e nem se quer havia saído no cinema indo direto pra as lacadoras, pois um filme de tal magnitude e impactancia recluso pelo governo pro mostras apenas a verdade, acho que isso foi um grande erro pois o filme lhe tira da realidade e te coloca dentro dele faz você sentido tudo aquilo que o substituto sofria ou deixava de sofre, sentia as conquista e derrotas.
    Muitas frases que o filme apresenta foram cuidadosamente pensadas para refletir e ou ate mesmo conscientizar a quem assistira ao filme.
    Portanto concluo que esse foi um dos melhores filmes que já assisti na escola desde de meus 8 anos
    obrigado Mari por nos trazer cultura mesmo que sendo estrangeiro e nos abrir o olhos e nos dar "um soco na boca do estomago" obrigado !!!!!

    ResponderExcluir
  21. Sou eu quem agradece Caio.

    Já havia elogiado sua crítica antes, pois também considero estranho o fato de o filme não ter ido para os cinemas; mas é aquilo que conversamos: Será que teria bilheteria? A sua temática e o seu estilo de direção estão, ainda, muito além da compreensão de muita gente. A propósito, filmes sobre educação não são comercias, apesar de , como neste caso, fazerem toda a diferença em nossas vidas.

    Obrigada pela participação!

    Bjus

    ResponderExcluir
  22. Inicialmente, o filme apresenta cenas fortes e de reflexão. São reflexões com lições de moral que fazem todo o publico que assistiu entender e refletir sobre todos os aspectos;ou seja, uma reflexão de afeto com o próximo e da importância do trabalho dos professores que de certa forma, são considerados desvalorizados. No auge do problema, Sr. Barthes percebe como seu comportamento pode salvar vidas.

    Bruna Zerbetti n°05 - 3°EM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, mimo,

      Sua crítica me fez querer rever o filme. Imagine quem ainda não o viu!

      parabéns!!!

      bjus

      Excluir

  23. O filme explora uma parte da realidade,em que todos escondem dentro de sí. Mostra personagens que nos fazem indentificarmos.E isso causa, uma certa angustia da vida real.
    A profundidade na qual caminha o filme, forma uma crítica social e individual, que desperta no bom espectador, uma vontade de mudar a realidade e dar mais valor as pessoas que nos fazem bem.
    Enfim, acima de tudo,a mensagem mais importante, é a de nos aceitarmos e sermos o que devemos ser, e nao o que a sociedade deseja. Que o padrão formado pela mídia serve para gerar pessoas influenciaveís , sem opniões, dominadas pela ditadura imposta pela moda.

    LETÍCIA DOS SANTOS 3°ANO ENSINO MÉDIO N°12

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leh, mimo.

      Gostei muito da sua abordagem sobre a mídia e a influência desta sobre as pessoas (a manipulação onipresente, "um holocausto publicitário", como disse o Sr. Barthes.). Além disso, sua crítica nos faz perceber a importância de repensar a realidade em que estamos inseridos.


      Parabéns!!!

      bjus

      Excluir
  24. O filme "Detachment" (2011), retrata exatamente a realidade não só de escola publicas, mas aborda temas como a prostituição na adolescência, e a depressão na adolescência. É um filme muito forte que toca qualquer tipo de pessoa que tem sentimentos. É uma pena que este filme não tenha tido tanta visibilidade no Brasil.
    Conheci este filme na escola para realizar uma atividade. Sendo assim, acabei gostando e recomendo não somente para professores, mas também recomendo para a sociedade em geral.

    Abner Carvalho nº2 3ºano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Abner,

      Gostei muito das suas recomendações. Isso significa que o filme foi relevante para você!!!


      Parabéns!


      bjus

      Excluir
  25. No filme, o ator Andrew Brody interpreta um professor substituto (Barthes), um homem que esconde várias coisas que ocorreram em seu passado e, além disso, enfrenta os conflitos existentes em seu dia a dia, com uma turma de alunos que não querem saber de estudar, problemas com o avô que tem Mal de Alzheimer e o maior conflito que é vencer as frustações do passado e enfrentar seus sentimentos.
    No decorrer do enredo Barthes se mostra ser uma pessoa fria, por não querer ter laços afetivos com ninguém, mas aparecem três personagens que fazem o professor mudar suas atitudes. Uma é a aluna Meredith, que sofre com os mal tratos do pai e os preconceitos dos alunos de sua sala. A outra é uma menina chamada Érika que se prostitui e consegue sair dessa vida com a ajuda de Barthes. E, por último, é uma professora que faz parte do seu mesmo corpo docente.
    Os diversos problemas retratados e os sentimentos demonstrados pelos personagens, nos fazem refletir sobre o mundo, pelo fato das cenas mostradas poderem ser presenciadas no dias atuais.
    Por isso, “Detachment” mexe com os nossos sentimentos e faz com que paremos para pensar em nossa vida, esta por mais que muitos reclamem, possui melhores condições do que as de muitas pessoas que vivem pelo mundo, passando fome e frio, sofrendo humilhações ou sendo maltratadas, entre várias outras coisas.


    Naara Soares Garcia 3º ano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Naara, mimo,

      Gostei muito da sua argumentação crítica.

      As ideias estão claras e nos convidam para assistir o filme e para refletir sobre os aspectos abordados!!

      Parabéns

      bjus

      Excluir
  26. Conheci este filme através de uma
    Aula de português O filme é porem
    faltam algumas coisas como por exemplo um
    cenário que transmiti Alegria
    Mas o que o filme representa é
    uma historia real tipo uma
    Historia real você entra no clima do filme

    Abner De Souza Dias 3 º Ano

    ResponderExcluir
  27. Reamnete Abner, mimo...

    O modo como o filme é narrado faz com que percebamos a realidade de uma maneira diferenciada e mais madura.

    Parabéns!!!


    Bjus

    ResponderExcluir
  28. A critica que eu vou fazer é que os alunos não se esforçavam no que faziam. O professor tentava ajuda-los, mas eles nem estavam ligando para a vida. Ser eu fosse o professor eu chamava o conselho tutelar para resolver isso por que ninguém queria os mal deles sempre o bem, mas eles não estavam nem ligando, como o professor tentou ajuda, mas os alunos não ligavam, o professor ficou triste.

    No seu lugar eu iria explicar se eles não presta atenção deixaria eles 'se lascasse' no futuro porque fiz de tudo não deu valor não ia ficar correndo atrás. Se eles quisessem, eles viram me procurar eu iria está la para ajudá-los .

    Eu estaria la porque se ele se arrependesse eu iria esta com a boa vontade de ensina de novo porque eu iria vê que ele estava arrependido, mas se eles não viessem, eu não iria nem ligar, azar seria dele. Eu, estaria lá fazendo minha parte na escola ensinando.


    Gabriel Mantelatto 1º Médio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabriel, mimo!!!

      Obrigadíssima pela participação. Escreva mais e... SEMPRE!

      bju

      Excluir
  29. Conheci o filme de Kate Kaye através de um trabalho escolar. Na minha opinião , é uma obra que mostra de um jeito "exagerado" a vida de alguns adolescentes que não tem a família estruturada e tem esse fato como um dos motivos de não irem bem na vida escolar . Eu acredito , que o filme, apesar de ser bem inspirado na vida de alguns alunos , poderia ser um pouco mais "leve" .
    Entretanto, o filme me deixou muito presa à tela , é um filme , ou seja , feito especialmente para as situações mostradas no filme , alunos , professores e familiares com seus conflitos.

    Mylena Andrade Cordeiro nº 12
    1º E.M

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito da sua crítica Mylena, mimo.

      Parabéns pela participação!

      Bjus

      Excluir
  30. O filme "O Substituto" mostra muitos outros lados do mundo à nossa volta que nós não enxergamos. Esse filme é muito importante, pois não só pensamos em nós mesmos, no que a gente faz e o importa para nós. Más a vida de algumas pessoas que nós não conhecemos é muito mais difícil do que a nossa. Mostra que as escolas públicas são muito ruins, que os professores nem os diretores da escola não se importam com os alunos e nem com a escola, e que nós, que estudamos em escola particular, não sabemos a dificuldade da vida, nós só criticamos a nossa vida. Nesse filmes ele faz nós refletirmos bem, pois nós temos uma vida boa, em casa boa. Afinal, temos tudo do bom e do melhor e mesmo assim, ainda reclamamos. Mas esse filme faz com que nós passarmos e observar melhor ao nosso redor e ver como é a vida dos outros. Esse filme marca a nossa vida e mostra a realidade do mundo.

    Giovanna Bareti Lima 1ºEM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Gi. Você tem toda razão mimo.
      Precisamos sempre olhar à nossa volta para conhecermos outros pontos de vista.

      Parabéns!

      bjus

      Excluir
  31. O filme "O Substituto" é um filme que te faz valorizar mais as pessoas e a vida, e muitas pessoas que assistiram o filme, inclusive eu, acreditei que o professor Barthes aproveitaria de Érika, mas ele apenas gosta de ajudar as pessoas, isso tudo, porque ele viveu coisas absurdas no seu passado(quando criança) envolvendo seu avô e sua mãe. assim sendo, esse filme precisa de pessoas maduras, e precisa de um bom entendimento para ver o filme. Sempre de algum jeito, nos colocamos no lugar de professor Barthes, e de alguns alunos, e podemos ver as dificuldades de bullying, por exemplo, no caso de Meredith que se matou envenenada, pois não aguentava mais sofrer

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nicolas Magalhães - 1ºEM - Nº13

      Excluir
    2. Gostei muito da sua crítica Nicolas. Quanto à Erika, também tive esta impressão quando vi o filme pela primeira vez.


      Parabéns pela participação!

      Bjus

      Excluir
  32. "O Substituto" é um filme impactante, feito para nos colocarmos no lugar dele, sentirmos o que ele sente. Isso acontece com todos os personagens do filme. Ao longo da história de cada personagem, sentimos tudo o que eles sentem, sofremos aos poucos com cada um deles. Um filme que choca a cada cena que passa. Ele tem como objetivo criticar a mente da sociedade e nos dar um tapa na cara para acordarmos e abrirmos nossos olhos para enxergar o mundo, sentir o mundo, nos libertarmos das "correntes do marketing".
    O filme deixa uma mensagem diferente para cada pessoa que o assiste. Não há como não absorver nada ao ver "O Substituto", é um filme necessário para constituir um ponto de vista que valorize a vida.
    Assim, o Professor Barthes tem reflexões que nos fazem ponderar e buscar compreender, uma de suas frases reflexivas é a seguinte: "Todos nós somos o caos em nossas vidas", as escolhas são feitas por nós; temos controle sobre nossas vidas e podemos escolher entre ser felizes ou infelizes, podemos destruir ou edificar, ser o problema ou a solução, nós causamos desordem em nossas vidas; no entanto, somos nós mesmos que podemos transformá-la.

    1° EM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laísa, mimo,

      Você está se expressando cada vez melhor através da escrita.

      Parabéns!!!!


      Bjus

      Excluir
  33. O filme "O substituto" , me mostrou muitas coisas que eu sabia mas nunca tinha visto. Ele me colocou em situações que eu nunca pensei que acontecia em escolas, um exemplo é a personagem "Meredith", era uma menina muito triste , porque todas as pessoas davam risada da cara dela e diziam que ela era ( gorda, feia).
    E quanto ao professor Barthes , ele não queria se apegar às pessoas , e nem a ninguém. Não há respeito com os professores , funcionários da escola e os alunos.
    Enfim, as personagens do filme , nos mostram que a vida nunca é fácil , e nos mostram como levar a vida e compreende - lá ; e tem uma frase que o Sr.Barthes dizia " Um homem sem rosto , em uma sala vazia ", esta frase diz que mesmo você estando presente em uma sala de aula ou em outro lugar , ninguém consegue enxerga - ló ou compreende - ló , além dele ser um professor ou qualquer outra pessoa (ele também é uma pessoa , que não é respeitado )
    Agatha Fernandes Gonçalves Pereira 01 1EM 04/10/2013

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agatha, mimo...

      Gostei do seu ponto de vista!

      Parabéns!

      Bjus

      Excluir
  34. Em minha opinião, este filme é perturbador, porque mostra um lado da escola, alunos, professores e diretores que muitas vezes nós, que vivemos neste ambiente todos os dias, não percebemos. Mostra como realmente somos dentro da sala de aula, e o que mais me incomoda, é que, muitas vezes, embora este filme seja uma história fictícia, é uma história que acontece todos os dias em varias escolas, e as pessoas, os alunos que assistem esse filma, não tomam a situação para sí. Portanto, temos que tomar este filme como um alerta em nossas vidas, e mudar, este filme não é um filme qualquer, é um filme que nos faz enxergar e refletir como realmente somos na escola, e o que temos que mudar.

    Vinícius Majolo 1ºEM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pela reflexão Vinícius.

      Você realmente entendeu a principal intenção do diretor mimo.

      Bjus

      Excluir
  35. Não podemos negar, que o filme "Detachment" é extremamente reflexivo. É daqueles filmes que se você parar pensar trinta segundos, durante o decorrer do filme, a pessoa acaba ficando perdida nas próximas cenas.
    Um dos pontos mais fortes do filme é que ele aborda várias questões sociais de forma impactante. Um dos exemplos das questões sociais abordadas são o bullying e a rejeição sofridas por Meredith, por ela não ter a "beleza ideal" imposta pela mídia. Outro exemplo é o descaso dos alunos com a escola. E quando eram perguntados sobre o seu futuro, eles não mostravam uma boa perspectiva, não tinham sonhos, não tinham metas.
    Esse filme deveria ter tido mais destaque na mídia, mais pessoas deveriam assisti - lo, pois ele tem uma mensagem importantíssima para a sociedade. Acho incrível como um filme desse porte fique por isso mesmo.
    Numa sociedade onde filmes "bestas" e sem um bom enredo, sem nenhuma importância para a sociedade ganham mais fãs do que filmes como o "Detachment". O filme é excelente, recomendo a todos!
    -
    Guilherme Martins Andrade dos Santos - 1° EM - N°5

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou Guilherme.

      Concordo com você, mimo, de que é um apena que este filme tenha tido uma repercussão tão tímida. "Sorte" a nossa termos assistido e refletido sobre ele.

      Parabéns!

      Bjus

      Excluir
  36. O filme ''Detachment'' não é apenas ''mais um'' filme, pode ser considerado muitas lições de vida, já que todos os personagens lhe transmitem os sentimentos, da tela para dentro de você. Para entender esse filme, tem que obter uma mente mais madura, para para compreender, assimilar, tudo o que ele lhe passa.
    Este filme está repleto de palavras, imagens, para nos chocar, você vai se ponde nos lugares dos personagens também vê como são os alunos e os professores fora das escolas, que ele tem seus problemas e nem sempre podem se concentrar 100% nas aulas e muitos julgam, falando que o aluno é um ''mau aluno''. Neste filme, o professor Barthes dá uma segunda chance para todos, esse personagem é quase perfeito, mas ele não reconhece isso.
    ''Detachment'' é um dos únicos filmes que recomendo pela mensagem que passa. Portanto, recomendo para todos, mas ''tente'' amadurecer na hora que o filme começar, pois você aprenderá muito.

    Marcelo Tadeu nº10 1ºEM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo, mimo...

      Você disse bem: é preciso maturidade para entender o enredo do filme. sinto-me muito feliz que vocês tenham compreendido.

      Parabéns!


      Bjus

      Excluir
  37. O filme "Detachment" é muito mais que um mero filme, é algo completamente maduro, e que precisa de um bom entendimento para vê-lo. Realmente, é difícil entender tudo que ele mostra, captar todas as informações de uma vez é algo complicado, mas o que realmente importa é o que o filme passa para sua vida. O que você aprende com ele.
    No filme, vi o que muitas pessoas passam nas escolas, o que professores e alunos passam, e suas dificuldades. Devemos aprender muito com esse filme, aprender a dar valor a tudo que temos, aprender a dar valor ao que realmente importa.
    Além disso, de certo modo, nos colocamos no lugar do professor e dos alunos, e vivemos as dificuldades de cada um, aprendemos com eles. O filme nos faz viajar para outro mundo, muito diferente do nosso, onde vemos coisas que as vezes passam despercebidas diante dos nossos olhos. O filme nos faz enxergar a realidade.
    Portanto, minha impressão final sobre esse filme, é que ele nos faz enxergar a realidade, nos faz crescer e nos colocar no lugar dos personagens, nos faz dar valor ao que temos, pensar na nossa vida e perceber que somos felizes.

    Mateus Andrade, Nº11 Série 1º em

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos mesmo felizes Mateus...

      E isso fica bem claro no filme quando fazemos o que você disse: nos colocar no lugar dos personagens não é mimo?

      Parabéns!!

      bjus

      Excluir
  38. Detachment nos mostra um lado da vida do professor que não transparece na sala de aula.
    A mistura de assuntos polêmicos que ocorrem na vida de Barthes enfatiza ainda mais que os professores, mesmo tendo sua vida privada (muitas vezes complexa), não passam esta mensagem para seus alunos, além de transformarem ou camuflarem seus próprios sentimentos, com um único objetivo: ensinar e preparar seus alunos para um futuro promissor.
    Para quem gosta de compreender as complexidades da vida e dos sentimento, Detachment é recomendável, nos mostrando assim, novas perspectivas.

    Natali Randi, nº 18
    3º E.M.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natali, mimo!

      Gostei da sua crítica. É objetiva e, ao mesmo tempo, deixa transparecer um dos principais aspectos do filme: "os professores também são seres humanos". Lembra de uma das frases do Prof. Brathes? "Todos nós comentemos erros, todos nós precisamos de alguém?"


      Parabéns pela precisão da sua crítica!

      Bjus

      Excluir
  39. Esse filme faz qualquer pessoa pensar e repensar sobre a vida, não só a própria, mas a dos outros.
    Mostrando cenas da infância do Sr. Barther, o filme mostra que a vida dele não foi fácil; mas mesmo assim a bondade dele faz com que ele ajude seus alunos, sem pensar duas vezes.
    Um filme realmente bom, que expõe a realidade, totalmente indicavel, impossível assistir e não refletir.
    E, com certeza, ao assistir o filme você passa a ter mais compaixão, pois a dor dos personagens é transmitida de forma clara e direta.


    Guilherme Assarito 3º E.M.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme, mimo!!!

      Escreva sempre muito... e mais! Cada vez mais!!!

      Parabéns pela participação!

      Bjus

      Excluir
  40. Substituto um filme que conta historias de vida "emocionantes" e com certeza faz refletir bastante.
    Com um enredo que prende a atenção do começo ao fim, esse filme consegue fazer você se por no lugar de algum alguns personagens, pelo menos no meu caso.
    Basicamente, o filme gira em torno de um professor substituto que ira te cativar porque mesmo com seus problemas se preocupa com os outros.Um filme para todo tipo de pessoa e ótimo para quem gosta de uma boa historia e um pouco de drama. Resumindo em minha opinião, é um ótimo filme e quem assistir só estará ganhando com isso


    Andrey Silveira, N° 04
    3° EM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andrey, mimo...

      Fico muito feliz que tenha gostado e escrito sobre o filme.

      Parabéns!!!

      Bjus

      Excluir
  41. O filme foi muito bom e eu aprendi muita coisa com este filme.
    Com este film eu adquiri conhecimento para minha vida.
    Eu consegui ver um mundo melhor e ver as pessoas com outros olhos.

    Jessica Urbano 3º Médio

    ResponderExcluir
  42. Jéssica, coisa mais linda da Prô.

    Você me enche de orgulho sabia? Com sua sensibilidade, carinho e generosidade!

    Você é um presente na minha vida!

    Te amo muito!!!

    Parabéns!

    Bjus

    ResponderExcluir
  43. O filme reflete uma realidade triste vivida nas escolas atuais da sociedade, o descaso e desordem tomam conta, alunos desinteressados e professores ausente. O filme abordo o bullying e a depressão, geralmente presente na vida de alunos excluidos pela geral, a violência e prostituição também fazem parte do roteiro, cenas fortes sensibilizam e emocionam qualquer espectador. Uma história de vida real, onde confirmamos a cada dia ao entrarmos nas salas de aula. Devemos nos impor e fazer a diferença, deixar de ser mais um para ajudar o próximo.

    Luccas Nunes ,13 - 3 E.M

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pela reflexão Lucas, mimo!!

      Você entendeu mesmo uma das principais mensagens do filme: FAZER A DIFERENÇA!

      bjus

      Excluir
  44. O filme é ótimo para refletimos, porem, ele não é um filme animador ou aquele filme que você se sente bem ao assistir. Ele demonstra a realidade que vivemos nos dias atuais, e deixa uma mensagem muito forte e realista, desse nosso mundo que você só é feliz se for linda e magra, ou uma pessoa rica! Enfim, o filme foca na manipulação da mídia em relação à sociedade atual, e ao ensino precário que temos.
    André Araujo 3 e.m

    ResponderExcluir
  45. Muito bem André, mimo!!!

    Você me deixou feliz com sua crítica!

    Parabéns!!!

    bju

    ResponderExcluir
  46. Esse filme é realmente surpreendente.Ele te "prende" de uma certa forma a ele que apenas o ato de piscar se torna difícil.Um que apresenta vários tópicos "problemáticos" como o Bullying nas escolas,a prostituição infantil entre outros não menos importantes.É um filme ótimo para quem está cursando o ensino médio e faculdades.
    Mas como todo filme tem momentos bons,tristes e "chatos" como a morte do avô de Mr.Barthes e "chatos" como a diretora da escola.Mesmo assim não deixa de ser um ótimo filme,recomendo para pessoas inteligentes e focadas em um assunto crítico.Como a atual situação do ensino em escolas publicas,que se encontra em um estado lastimável.

    Henrique Rodrigues

    PS:Desculpa pela demora Prof,só tive tempo hoje e agora a noite...
    Bjos ótimo começo de semana \m/

    ResponderExcluir
  47. Está desculpado, Henrique, mimo!

    Excelente crítica!

    Parabéns!!!

    Bjus

    ResponderExcluir
  48. Acredito que "O Substituto" seja uma fusão dos problemas vivenciados pelas pessoas atualmente.
    A forma como Andrew Brody interpretou o papel do professor Henry Barthes fez com que nós estivéssemos vivenciando, cada problema demonstrado o decorrer do filme; levando-nos a pensar que muitos dos problemas como indisciplina escolar, prostituição e a insegurança começam dentro de casa, a partir da família, da forma que convivemos com nossos pais e na maioria das vezes a causa desses problemas pode ser somente por carência, por não receber alguma atenção dos pais.
    Dessa forma, recomendo esse filme e acredito que seria fundamental que os pais e futuros pais assistam para que não cometam os mesmos erros cometidos pelas família dos alunos, do professor e da Erica no filme.



    OBS: Mari desculpe-me pela demora para postar, só tive tempo agora =D
    Beijos

    ResponderExcluir
  49. Mika, mimo...

    Claro que desculpo.
    Sua crítica ficou ótima!!!

    Parabéns!

    Bjus

    ResponderExcluir
  50. O filme o substituto me deixou muito comovida pois ele mostra a realidade que que muitos de nós não vemos mas sabemos que existe.A historia da Meridith me comoveu pois não sabia que as pessoas chegavam a esse ponto por conta da sociedade .Ela chegou em um ponto de não ter mais vontade de lutar por ela mesma
    É um filme que mostra o que nós vivemos e o que passamos. Depois desse filme, minha opinião sobre muitas coisas mudaram.

    Jéssica Henriques 1 EM

    ResponderExcluir
  51. Que bom Jéssica, mimo...

    Fico feliz que tenha se comovido e, principalmente, que esta comoção te fez pensar diferente. Isso significa crescimento, amadurecimento, beleza interior....

    Parabéns!!

    Bjuis

    ResponderExcluir
  52. Este Filme Nos Remete A Pensamentos Profundos, Talvez A Sentimentos Que Ainda Não Haviam Sido Revelados. Em Sua Maior Parte, O Substituto, Busca Deixar Bem Clara A Visão De Que Não Existem Apenas "Nossos" Problemas, Mas Que Todos Os Que Estão Ao Nosso Redor Também Possuem Os Seus, Como Todo Ser Humano Normal Teria.
    Trechos Aleatórios nos levam a reflexões e a certeza de que realmente devemos ter cuidado com nossos atos e palavras, já que nunca se sabe o que se passa na mente de quem esta ao nosso redor ou quem realmente seria esta pessoa...

    PS: Perdi Minha Redação Em Meio A Folhas, Por isso Não Postei A Original :)


    FELIPE PLACIDO DA SILVA OLIVEIRA...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felipe, mimo...

      Gostei muito da sua visão sobre o fato de que todos nós termos problemas a serem solucionados.

      Parabéns pela reflexão!

      bjus

      Excluir
  53. Eu considerei um filme muito bom, que demonstra fatos que acontece na vida real, e faz você parar pra pensar e refletir na vida não só na sua, mas na dos outros. No filme passa como foi difícil a infância do Sr. Bathers e nem por isso, ele deixa de ajudar as pessoas. Se muitas pessoas pensarem como o Sr. Batrhers, o mundo melhoraria cada vez mais e não teria tanta violência igual atualmente se encontra.

    David Fontes Nº 7 3º EM

    ResponderExcluir
  54. David, mimo..

    É realmente relevante o fato de que o Sr. Barthes tenha sofrido tanto na infância e, ainda assim, conservar a sensibilidade e ser solidário aos ouros.

    Parabéns!

    Bjus

    ResponderExcluir
  55. No filme, é mostrado a vida de um professor substituto, que tenta não obter laços emocionais com nenhum indivíduo ao seu redor, temendo trazer mais decepções e problemas à sua vida. Porém, mesmo agindo friamente e demonstrando não se importar com a vida alheia, ele tinha uma certa preocupação com as pessoas que o cercavam.
    O filme nos mostra uma visão real do mundo atual, da vida que os adolescente levam, da vida que um professor leva, o lugar que um adolescente sem apoio familiar pode acabar chegando; mostra fatos que ocorrem frequentemente no mundo atualmente, pode não ser diante dos nossos olhos, mas infelizmente ocorrem.
    No filme, também não é deixado passar o quão forte é o poder das palavras, o quanto elas podem nos afetar e a capacidade que elas tem de deixar um rastro catastrófico na vida emocional de alguém, sendo piores que pedras ao jogadas contra nós. Um exemplo desse caso foi Meredith, que não suportou a pressão da sociedade contra ela e acabou tirando a própria vida.
    É um filme bem profundo, com o dom de nos fazer refletir sobre cada cena mostrada. São filmes como esse que deveriam ganhar recorde de bilheteria mundial, pois acrescenta algo em nossa vida e nos faz olhar ao derredor de uma forma diferente.

    Gabriella Martins 3ºano

    Maaari, desculpa a demora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpo sim a demora mimo!!!

      O importante é que você compreendeu a mensagem do filme e elaborou uma ótima crítica!

      Parabéns!!!

      bjus

      Excluir
  56. O filme destaca vários assunos polêmicos, e muitos desses assuntos ocorrem constantemente no dia a dia das pessoas.
    Muito interessante o papel que o filme tenta nos mostrar que é fazer o aluno ver o lado do professor, e o professor ver o lado do aluno. Coisa que não é possível ser feita constantemente.
    O que mais chama atenção no filme é o fato do professor tentar ignorar todos os problemas e preocupações dele para poder se empenhar e ajudar os alunos com os problemas deles.

    Mariana Toledo 3ºano

    ResponderExcluir
  57. Parabéns Mariana, mimo!!

    Gostei muito da sua crítica!

    Bjus

    ResponderExcluir

COMENTE!